Crítica | Querido Menino retrata difícil luta familiar contra o vício Críticas, Filmes

Crítica | “Querido Menino” retrata difícil luta familiar contra o vício


Nesta quinta-feira (21), chega aos cinemas o filme “Querido Menino”, que retrata a difícil luta da família Sheff contra o vício em drogas de seu filho mais velho, Nic (Timothée Chalamet). 

Baseada no livro de mesmo nome, escrito por David Sheff, a produção narra, de forma não linear, a trajetória de Nic sob a visão de seu pai, David (Steve Carell), um jornalista freelancer bem-sucedido, desde a infância do garoto até o momento em que o vício se torna quase irreversível.

“Querido Menino” é dirigido pelo belga  Felix van Groeningen e é didático ao apresentar as diferentes fases do uso de drogas, mas se distancia de um discurso estilo “campanhas anti-drogas” ao, também, mostrar o lado prazeroso destas, o que facilita o entendimento sobre o vício e os motivos pelos quais as pessoas tendem a procurar tais substâncias.

Em certo momento, o próprio pai de Nic tenta usar drogas com o objetivo de tentar entender melhor o que se passa com o filho, em meio a muitos estudos e pesquisas sobre o vício e as substâncias que ele usa.

Um ponto muito positivo do longa é a sensibilidade ao mostrar que, de certa forma, não há exatamente uma explicação para o envolvimento de Nic com as drogas e nem para tamanha solidão que sente, sendo assim um claro retrato da realidade.

O filme “Querido Menino” chega em um momento chave no Brasil, no qual o vício e a luta contra o mesmo não parecem ser levados tão a sério por uma geração que prefere fazer piadas sobre o assunto, vide o caso do ator Fábio Assunção. Desta forma, chega, com a produção, a esperança de que as pessoas entendam a dificuldade que envolve a luta contra o vício, não apenas para pessoa envolvida, mas também a todos aqueles ao seu redor.

Assista ao trailer de “Querido Menino”:

Comentários

comentários