Outsider Stephen King Literatura

Resenha | “Outsider”, de Stephen King (Editora Suma, 2018)


O livro “Outsider” foi a obra mais recente de Stephen King a chegar no Brasil, até o momento em que este post foi redigido. Abaixo, leia nossa resenha sem spoilers.

Lançado pela Editora Suma em junho de 2018, o livro segue a linha investigação policial bem similar à trilogia “Bill Hodges”, também do autor. Aliás, mais do que seguir a linha, “Outsider” traz elementos muito importantes de “Mr. Mercedes”, “Achados e Perdidos” e “Último Turno”, incluindo muitos, MUITOS spoilers. Portanto, antes mesmo de começar a escrever sobre “Outsider”, a minha primeira indicação é que leiam a trilogia Bill Hodges antes, porque isso torna a história e as referências ainda mais ricas.

“Outsider” [ou Forasteiro, em português] já começa de forma arrebatadora, contando sobre um assassinato de um garoto que chocou os moradores da cidade de Flint City pela forma como foi feito. Na investigação, não há dúvidas de que Terry Maitland, o professor de inglês e treinador de beisebol da Liga Infantil, é o culpado do crime, afinal, não apenas são encontrados vestígios na cena do crime, como testemunhas também recordam tê-lo visto.

O problema, porém, é que Terry Maitland não estava na cidade no dia do crime, e sim em uma viagem com outros professores, que confirmam o álibi. Desta forma, fica o impasse sobre quem realmente cometeu o crime e como seria possível alguém estar em dois lugares ao mesmo tempo.

Na capa traseira de “Outsider”, há um comentário que compara o livro com “It: a Coisa”, lançado por Stephen King na década de 80. Porém, acho que essa comparação deve ser mais cuidadosa, porque a trama, em si, é bem diferente do livro lançado originalmente em 1986. O se mais se aproxima de “It: a Coisa” é a construção do vilão, que dá abertura a mais de uma explicação.

Quanto à trama, a obra pode até ser entendida como uma extensão da trilogia Bill Hodges, como já havia citado acima, não apenas pela narrativa policial, mas também pela participação direta de um personagem muito importante da trilogia.

“Outsider” é um livro muito rápido de ler, não apenas por não ser tão longo quanto algumas outras obras de Stephen King (a 1ª edição lançada pela Suma tem 523 páginas), mas também por ter uma narrativa bastante rápida e que, desde o primeiro momento, prende o leitor de forma magnífica até o fim, quando todos descobrimos sobre o que, de fato, aconteceu.

O final, realmente, não é tão surpreendente quanto poderia ser. Mas isso não necessariamente é negativo, já que essa é uma característica do Stephen King e, afinal de conta, os fãs já estão mais do que acostumados.

Leia Mais:

Resenha | “A Incendiária”, de Stephen King

Foto: Reprodução / Facebook

Comentários

comentários