Em temporada lenta, Orange is The New Black ganha duas novas protagonistas Séries

Em temporada lenta, ‘Orange is The New Black’ ganha novas protagonistas


Na última sexta-feira (27), a Netflix disponibilizou a sexta temporada de ‘Orange is The New Black’ em seu catálogo. Com episódios mais lentos, a série ganhou duas novas protagonistas, que lideram a guerra entre gangues na prisão de segurança máxima.

Se você ainda não terminou de assistir aos novos episódios, recomendamos parar o texto por aqui e voltar depois! Há alguns spoilers abaixo: 

A nova temporada começa logo após o fim da rebelião retratada anteriormente. Após a invasão da polícia no presídio de Litchfield, as detentas são levadas para a segurança máxima, que ainda fica no mesmo local, mas com um esquema de segurança bastante divergente ao que as personagens estavam acostumadas.

Lá, a divisão entre diferentes blocos nutre a rivalidade de gangues entre as detentas. E é aqui que surgem as irmãs Barbara (Mackenzie Pihllips) e Carol Denning (Henny Russel), que detêm a história mais interessante da temporada: ambas estão presas há mais de 30 anos por terem assasinado a irmã mais nova e, devido à uma grande briga entre elas, separadas em diferentes blocos, os quais lideram. Tal divisão deu origem à rivalidade entre os blocos C e D, e à “Guerra Fria” diária entre as duas ao tentar manter seus impérios de drogas na prisão segurança máxima, assunto tratado durante grande parte dos episódios.

Durante o desenvolvimento da temporada, diversos flashbacks mostram a história das personagens que, em seus primórdios, também conheceram Frieda Berlin (Dale Soules) e agora querem se vingar.

Em meio aos diversos conflitos internos do presídio, acontece o julgamento das detentas que participaram da rebelião de Litchfield. É neste momento que a série engaja a parte do social com um assunto bastante recorrente: apesar de o policial Piscatella ter sido morto por outros policiais, a personagem Tasha Jefferson (Danielle Brooks) é condenada injustamente à prisão perpétua, mesmo tendo recebido total apoio de Joe Caputo (Nick Sandow) e de diversas pessoas fora da prisão.

Apesar da inovação da temporada e da retomada ao estilo mais próximo dos primeiros episódios da série, a sexta temporada de ‘Orange is The New Black’ não tem grandes acontecimentos e se desenvolve de forma um pouco lenta. Durante todo o tempo, há uma grande preparação para dois assuntos ao fim da temporada: o julgamento de Taystee e a guerra entre os blocos C e D que, no fim, é subtituída por uma partida de Kickball.

Há, também, alguns outros acontecimentos mais sutis, como a volta de Alex Vause (Laura Prepon) e o relacionamento interessante que ela mantém com a gangue de Carol. Porém, apenas nos dois últimos episódios é que as coisas aconteceram de vez, o que dá uma certa impressão de um looping eterno em relação à trama de ‘Orange is The New Black’, que tanto prepara os espectadores e, quando algo realmente acontece, a temporada chega ao fim.

Para os próximos episódios, a grande deixa da sexta temporada foi o envolvimento da imigração. A personagem Blanca Flores (Laura Gómez) é separada de Piper no momento de suas solturas e é obrigada a seguir para a imigração, assunto que, portanto, deverá ter grande foco na próxima temporada.

Comentários

comentários