Crítica do filme "Mogli: O Menino Lobo" Críticas, Filmes

Crítica do filme “Mogli: O Menino Lobo”


A história do Menino Lobo ganhou uma nova versão: mais atual, usa e abusa da tecnologia com cenários incríveis e efeitos visuais que surpreendem, dentro de um filme que flui muito bem e prende o espectador.

Confesso que cheguei ao cinema esperando nada de muito extraordinário, imaginando que o filme fosse focar no público infantil. Pois aí fui surpreendida. Com muita ação, efeitos especiais incríveis e uma ótima atuação de Neel Sethi (o Mogli), o longa cativa a todos e leva os mais velhos direto para uma sessão nostalgia, ainda de quando se assistia o desenho em VHS. Acabei constatando que havia muito mais adultos na sessão do que crianças.

Crítica de Mogli: O Menino Lobo

O filme traz um novo ar à história de Rudyard Kipling: o ambiente é completamente virtual, com uma qualidade incrível que vai te deixar se perguntando o que é real e o que é computação gráfica. Baseado na animação da Disney de 1967, John Favreu, o diretor, apostou no visual do filme, quis impressionar e conseguiu. É a mistura perfeita do novo e do velho: o que há de mais atual na tecnologia com uma história de 1894.

Com uma fluidez incrível e com um forte tom de aventura, Mogli: O Menino Lobo é um espetáculo para os olhos, uma obra prima da computação gráfica. Ótimo filme para assistir com a família toda.

Comentários

comentários