Foto: Divulgação Literatura

Em novo conto, J. K. Rowling revela Sr. e Sra. Dursley “normais”


J. K. Rowling, autora de Harry Potter, divulgou nesta segunda-feira (18), um novo conto no site Pottermore. Desta vez, ela conta a história de Sr. e Sra. Dursley ainda “normais”.

Todos sabem, desde o primeiro livro da saga, que os tios de Harry eram seres detestáveis. Mas eles nem sempre foram assim. No conto, a autora passa por vários momentos da vida do casal, desde o dia em que se conheceram, no escritório onde trabalhavam, até o dia em que Petúnia contou a Válter sobre sua irmã bruxa.

A segunda parte do texto consiste nos “pensamentos” de J. K., nos quais ela explica um pouco sobre a criação dos personagens e suas influências. “‘Válter’ é simplesmente um nome que eu nunca liguei muito. ‘Petúnia’ é o nome que eu sempre relacionei com uma mulher desagradável, enquanto brincava com minha irmã, Di, quando éramos bem jovens”.

Confira o texto traduzido na íntegra:

“Os tios de Harry se conheceram no trabalho. Petúnia Evans, sempre amargurada pelo fato de que seus pais pareciam valorizar mais sua irmã bruxa do que ela, deixou Cokeworth para sempre para participar de um curso de digitação em Londres. Isto a levou a um trabalho em um escritório, onde ela conheceu o extremamente não-mágico, opinativo e materialista Válter Dursley. Grande e sem pescoço, este executivo júnior pareceu um modelo de masculinidade para a jovem Petúnia. Ele não apenas respondeu ao interesse romântico dela, mas era deliciosamente normal. Ele tinha um carro perfeitamente correto, e queria fazer coisas completamente ordinárias, e no período quando ele já a havia levado a uma série de encontros desinteressantes, nos quais Válter falava principalmente sobre ele mesmo e suas ideias sobre o mundo, Petúnia já sonhavam com o momento em que ele colocaria um anel em seu dedo.

Quando, oportunamente Válter Dursley a pediu em casamento, muito corretamente, ajoelhado na sala de estar da mão dele, Petúnia logo aceitou. A única preocupação em seu delicioso momento de glória, era o medo do que seu noivo pensaria de sua irmã, que agora estava no último ano da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Válter era capaz de desprezar até mesmo aqueles que usavam sapatos marrons com terno preto; o que ele faria com uma jovem mulher que passava maior parte do tempo usando uma longa capa e lançando feitiços, Petúnia mal conseguia pensar.

Ela contou a verdade durante um encontro cheio de lágrimas, no carro escuro de Válter enquanto eles sentavam olhando a loja onde Válter acabara de comprar alguns petiscos depois do cinema. Válter, como Petúnia já esperava, ficou profundamente em choque; entretanto, ele disse a Petúnia solenemente que ele nunca jogar contra ela, a irmã louca, e Petúnia se jogou em cima dele com tanta violência em forma de gratidão que ele derrubou sua salsicha.

O primeiro encontro entre Lily, seu namorado, Thiago Potter,  e o casal de noivos, foi um desastre e a relação despencou a partir daí. Thiago achou graça de Válter, e cometeu o erro de demonstrar isso. Válter tentou padronizar Thiago, perguntando o carro que ele dirigia. Thiago descreveu sua vassoura de quadribol.  Válter supôs, em alto e bom tom, que os bruxos deveriam viver com benefícios de desempregados. Thiago explicou sobre Gringotts, e a fortuna que seus pais haviam deixado lá, tudo em ouro. Válter não podia dizer se era verdade, ou se ele havia virado motivo de piada, e ficou muito bravo. A noite terminou com Petúnia e Valter saindo furiosos do restaurante, enquanto Lily chorava muito e Thiago (um pouco envergonhado de si mesmo) prometeu que resolveria as coisas com Válter o quanto antes.

Isto nunca aconteceu. Petúnia não quis Lily como madrinha de casamento, porque ela estava cansada de ser ofuscada; Lily se magoou. Válter se recusou a falar com James na recepção, mas o descreveu, enquanto James o escutava, como um “mágico amador”. Uma vez casada, Petúnia ficou cada vez mais parecida com Válter. Ela adorava a casa deles no número quatro da Privet Drive. Agora ela estava segura de objetos que se comportavam estranhamente, chaleiras que tocavam música quando ela passava, ou longas conversas que ela não entendia, com termos como “quadribol” e “transfiguração”. Ela  Válter escolheram não ir ao casamento de Lily e Thiago. A última correspondência que ela recebeu de Lily e Thiago foi o anúncio do nascimento de Harry, e depois de olhá-la com desprezo, Petúnia a jogou no lixo.

O choque de encontrar o seu sobrinho órfão na porta de casa, aproximadamente um ano depois, foi extremo.  A carta que o acompanhava contava como seus pais haviam sido mortos, e pediam aos Dursley para tomar conta dele. Ela explicava que, devido ao sacrifício de Lily ao dar a vida dela em troca da do filho,  Harry estaria a salvo da vingança de Lord Voldemort  enquanto ele poderia chamar de “lar” o local que ainda tivesse o sangue de Lily. Isso significava que o número 4 da Privet Drive era o único santuário dele.

Com a chegada de Harry, Petúniase tornou mais determinada em oprimir qualquer assunto sobre sua irmã. Petúnia tinha um sentimento latente de culpa sobre o modo como cortou as relações com Lily (ela sabia, lá no fundo de seu coração, que a amava), mas isto foi coberto pelo considerável ciúmes que sentia. Petúnia também escondeu lá dentro (e nunca confessou a Válter) a esperança que ela tinha de também mostrar sinais de magia, e estudar em Hogwarts.

Ao ler a chocante carta de Dumbledore, que contava o quão corajosamente Lily havia morrido, ela sentiu que não tinha outra escolha, a não trazer Harry para dentro e criá-lo a0 lado de seu filho, Duda. Ela fez isso de má vontade, e passou o resto da infância de Harry punindo-o por sua própria escolha. Tio Válter não gostava de Harry pelo mesmo motivo de Snape, a aparência que lembrava muito seu pai.

As mentiras que contavam a Harry sobre como os pais dele tinham morrido, eram baseadas nos seus próprios medos. Um bruxo das trevas tão poderoso quanto Lord Voldemort assustava-os demais para arriscar, e como qualquer outro assunto que eles achavam irritante ou desagradável, eles o oprimiram em suas mentes e mantiveram o “morreram em um acidente de carro” a história mais consistente para persuadí-los de que era verdade.

Apesar de Petúnia ter crescido ao lado de uma bruxa, ela é totalmente ignorante sobre magia. Ela e Válter têm a confusa ideia de que um dia conseguirão tirar a magia de Harry, e serão capazes de jogar todas as cartas que chegam de Hogwarts no aniversário de 11 anos dele. Ela e Válter acreditam na superstição que bruxos não podem atravessar água. Como ela estava acostumada a ver Lily pular poças e pisar nas pedras, deve ter sido bastante surpreendente quando Hagrid não teve dificuldade em atravessar um mar tempestuoso para chegar à cabana deles.

Pensamentos de J. K. Rowling

Válter e Petúnia foram criações naturais, e nunca exigiram um grande número de tentativas com nomes, como tantos outros personagens exigiram. ‘Válter’ é simplesmente um nome que eu nunca liguei muito. ‘Petúnia’ é o nome que eu sempre relacionei com uma mulher desagradável, enquanto brincava com minha irmã, Di, quando éramos bem jovens. De onde tirei isso, nunca tive certeza, até uma amiga minha me mostrar uma série de filmes que eram exibidos na televisão em nossa infância. Um deles era uma animação na qual um casal sentava num penhasco aproveitando um picnic e assistindo a um homem se afogando no mar (a orientação do filme era, não acene de volta – chame o salva-vidas). O marido chamava a mulher dele de Petúnia, e eu imediatamente me perguntei se não foi daí que eu tirei o esse nome diferente, porque eu nunca conheci ninguém chamado Petúnia ou, em meu conhecimento, li algo sobre. O subconsciente é uma coisa muito estranha. A Petúnia do desenho era gorda, animada, então parece que eu só peguei o nome mesmo.

O sobrenome ‘Dursley’ foi tirado da cidade de mesmo nome em Gloucestershire, que não é muito longe de onde eu nasci. Eu nunca visitei Dursley, e eu espero que lá seja cheio de pessoas charmosas. Foi o som da palavra que apelou, mais do que qualquer associação com o lugar.

Os Dursleys são reacionários, preconceituosos, intolerantes, ignorantes e hipócritas; a maioria das minhas coisas menos favoritas. Eu queria sugerir, no final do livro, que algo decente (um amor esquecido há muito tempo, mas profundo por sua irmã; a percepção de que ela não veria Lily novamente) lutasse para sair de Petúnia quando ela dissesse adeus a Harry pela última vez, mas que ela não era capaz de admitir isso, ou mostrar aqueles sentimos há muito tempo enterrados. Apesar de alguns leitores quererem mais de Tia Petúnia durante esta despedida, eu ainda acho que o comportamento dela tinha que ser mais consistente com os pensamentos e os sentimentos durante os sete livros.

Ninguém pareceu esperar nada de Tio Válter, então eles não ficaram desapontados.” – J. K. Rowling.

Comentários

comentários